Brasileiros estão entre os que menos cometem gafes em viagens

Brasileiros estão entre os que menos cometem gafes em viagens

Fazer um gesto considerado ofensivo na cultura local, ter um comportamento inesperado à mesa ou mesmo pronunciar errado uma palavra em outro idioma são algumas das gafes que qualquer um pode cometer quando viaja a outro país, especialmente pela primeira vez. A boa notícia é que entre os turistas latino-americanos, os brasileiros são os que menos cometem erros como esses, principalmente devido ao bom manejo da tecnologia.

Ao menos é o que indica uma pesquisa realizada pelo Booking.com, uma das maiores plataformas de viagens do mundo, que avaliou o comportamento dos turistas. O site entrevistou 20.500 pessoas de 28 países, e descobriu que os japoneses e os holandeses são os que menos erram em viagens. Apenas 54% e 59% dos entrevistados, respectivamente, declararam já ter cometido alguma gafe em viagens.

Já na América Latina, os colombianos são os que mais erram no exterior: 82% deles afirma já ter passado por constrangimentos do tipo. O segundo lugar no pódio é ocupado pelos mexicanos, com 80%; seguidos pelos argentinos, com 73%. Já entre os brasileiros, apenas 68% admite ter cometido alguma gafe. Uma diferença grande em relação aos hermanos latinos.

Erros comuns

Uma das situações mais comuns quando o assunto é gafe no exterior é não entender muito bem as instruções durante passeios, o que deixa os turistas perdidos. Os viajantes de Hong Kong são os que mais enfrentam o problema, 51% deles afirma já ter se perdido em viagens. Os holandeses (15%), russos (18%), belgas (19%) e alemães (19%) são os que lidam melhor com as instruções de localização.

Por aqui, novamente os brasileiros saem na frente em relação aos demais países latino-americanos, apenas 27% dos entrevistados já passou pela situação. O índice é semelhante ao que diz respeito a outra situação bastante comum, a pronúncia errada de palavras em línguas estrangeiras, que muitas vezes podem colocar o turista em maus lençóis. Entre os brasileiros, 20% já disse algo da maneira errada em outra língua.

Outro ponto no qual os brasileiros saem na frente é seguir à risca a lição de Vinicius de Moraes: “é melhor ser alegre que ser triste”. 40% dos entrevistados afirma que acaba vendo graça nas gafes que passa ao se confundir ou fazer algo de maneira inadequada para a cultura local. Além disso, 46% acha que aprender com os erros não é o fim do mundo, pois ajuda a melhorar as experiências de viagem no futuro.