A mala pequena, a viagem boa e a vida com significado

A mala pequena, a viagem boa e a vida com significado

Fiz uma viagem de 40 dias passando por sete cidades com meu marido e filho e a pergunta que mais ouvi foi: como vocês conseguiram viajar com uma mala só?

O que todo mundo queria era que eu compartilhasse uma lista de itens para uma mala eficiente e suficiente e desse dicas de sobrevivência. E sim, essas coisas existem e eu posso mesmo compartilhar. Taí: — lista básica de mala + dicas para sobreviver com pouco .

Mas o que eu queria mesmo era contar que a mala pequena é, na verdade, o resultado de um longo processo de elaboração do que significa, pra mim, ter uma viagem boa. Viagem é contexto. Depende dos mil fatores que podem ou não influenciar na experiência e seus desdobramentos. Se conhecer, conhecer quem vai com você, conhecer o destino e alinhar os aspectos desses três grupos de variáveis é fundamental.

Eu e meu grupo não gostamos de comprar, não nos importamos em repetir a mesma roupa mil vezes, não nos importamos de lavar roupas intimas no banheiro, usamos looks básicos e damos importância pra o que é útil e facilita nossa viagem. Obviamente que seria impossível uma mala única para três pessoas em 40 dias se algumas dessas características fossem opostas.

Fomos aprendendo aos poucos, em doses homeopáticas, observando erros, ajustando expectativas e identificando o que realmente importa. O que tem significado e sentido, sobretudo, durante uma viagem. Por exemplo, para nós, passear numa pracinha fora do roteiro é mais importante que o tempo organizando a mala de quinquilharias compradas em algum shopping — até porque shoppings são iguais em qualquer lugar do mundo, muda-se apenas a arquitetura e lugar. Tempo olhando o pôr do sol é mais importante do que tempo na fila comprando uma mala extra pra acomodar lembrancinhas e presentes.

Ter uma viagem boa levando uma mala pequena é possível. Mas só quando entendemos quem somos e o que realmente têm valor e importância, pois como disse o poeta português, Fernando Pessoa: “Para viajar basta existir. A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos”.